Expresso – Alexander Hawkins | Evan Parker – Leaps in Leicester


By João Santos

Nada fácil de rastrear, a discografia de Evan Parker lembra a descoberta dos fractais, quando se dava conta que a geometria clássica ficava aquém de descrever a totalidade de ocorrências dos objetos matemáticos. Ao lado de pianistas – de Borah Bergman e Stan Tracey a Matthew Shipp e Sylvie Courvoisier – gravou duas mãos-cheias de álbuns, e, embora igualmente irresistível, a verdade é que se torna difícil, para não dizer arriscado, comparar o seu comportamento nesse caso com a sua execução quando permanece desacompanhado ou com aquilo que faz sempre que toca em trio (com Barry Guy e Paul Lytton e com Alexander von Schlippenbach e Paul Lovens) ou, até, com o que torna efetivo no seio do seu Electro-Acoustic Ensemble. É como se o reconhecimento da sua coerência, quase inevitável e, dado o caráter ad hoc de muitas das situações em que se acha, frequente causa de espanto, fosse um longo desafio à razão. Mas, nem que seja no plano metafórico (e não obstante David Borgo, em “Sync or Swarm: Improvising Music in a Complex Age”, se ter dedicado, justamente, à análise fractal dos seus solos), trata-se de uma figura armadilhada. Aliás, quem recordar a alocução que, no Jazz em Agosto de 2006, em Lisboa, o saxofonista consagrou a Coltrane, lembrar-se-á de uma frase que pronunciou quando se deixou ir por um atalho e se pôs serenamente a contemplar a abóbada do esoterismo: “Tenho o maior respeito pela complexidade de todas as coisas. E, para mim, o que sustém o universo é uma sucessão de milagres. Se estão familiarizados com fractais, sabem dos prodígios que nos rodeiam, daquilo que mantém esta mesa no sítio ao que determina a posição do nosso planeta em relação ao sol. [Sabem] que tudo está vivo.” Como outro qualquer, e nunca sendo menos que um fluxo de revelações, é um lastro de que a sua música não se solta em definitivo na sua busca de libertação total. Não será, então, de admirar que, em Londres, onde reside, tenha encontrado refúgio (a palavra é sua) numa sala chamada Vortex – por sinal, quinta-feira que vem, o local que acolherá a festa de lançamento de “Leaps in Leicester”. E o que se espera, aí, é o prolongamento daquilo que o CD tão bem ilustra, e que Parker apontou como uma das razões para o êxito da improvisação coletiva ao fundar uma editora que batizou de psi: a manifestação dos “entendimentos intuitivos e telepáticos que se estabelecem entre instrumentistas”. É o que, mais uma vez, aqui se verifica, à partida de forma circunstancial, depois incremental e por fim avassaladora, no momento em que as ideias de Parker e Hawkins espreitam umas por cima das outras, se alternam e lutam entre si, se interrompem e confundem. O primeiro com 72 anos, o segundo com 35, parecem dois bailarinos a dançar capoeira, capazes de antecipar qualquer movimento ainda que, a cada instante, não abdiquem do espaço da individualidade nem obedeçam à coreografia de mais ninguém.

Buy

+ There are no comments

Add yours